Elétrica

Como calcular disjuntor geral na prática

Mardey Costa
Escrito por Mardey Costa em 11/10/2022
Junte-se a mais de 20.000 pessoas

Cadastre seu email e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Você sabe como calcular disjuntor geral na prática?

Nesse artigo, você vai descobrir como dimensionar na prática o disjuntor geral de uma residência.

Portanto, se você quer aprender mais sobre esse assunto, então continue lendo esse artigo.

Mas antes de ler este artigo completo, conheça nossos 3 cursos com certificado reconhecido e descubra porque 2000 alunos tiveram resultados.

Curso de Projeto Elétrico na Prática

Curso de projeto elétrico na prática com engenheiro eletricista Anderson Campos

Acesse o botão verde abaixo e descubra finalmente como elaborar projetos elétricos da teoria a prática.

Curso de Eletricista Instalador

Curso de eletricista instalador com Ricardo Serpa

Acesse o botão verde abaixo para descobrir como se tornar ser um eletricista instalador muito bem remunerado.

Curso de Comandos Elétricos

Curso de comandos elétricos com Jair Maciel dos Santos

Acesse o botão verde abaixo para descobrir como fazer montagem e manutenção de comandos elétricos industriais e sistemas automatizados.

Escolha um dos cursos acima para saber mais e faça a sua inscrição hoje com até 50% desconto em 12x no cartão, PIX ou boleto a vista e ainda ganhe bônus exclusivos.

O que é o disjuntor geral

Antes de explicar como calcular o disjuntor geral de uma residência, é importante lembrar que quando falamos em disjuntor geral, estamos falando do disjuntor principal.

Ou seja, aquele que protege os outros disjuntores parciais dos circuitos da instalação elétrica.

Na imagem abaixo é possível visualizar um quadro de distribuição com os disjuntores da instalação.

Como calcular disjuntor geral

Mas para que serve esse tipo de disjuntor geral na prática, é o que precisamos explicar agora.

Para que serve o disjuntor geral

Na prática, os disjuntores são dispositivos eletromecânicos que têm a função de proteger a instalação elétrica.

Neste caso, eles protegem de danos que se originam em curtos circuitos e ou sobrecargas.

Depois de explicar o que são os disjuntores e para que eles servem, vamos descobrir gora como dimensionar o disjuntor geral na prática, confira.

Como calcular disjuntor geral passo a passo

Neste primeiro passo para dimensionar o disjuntor geral, é preciso que a instalação já tenha sido devidamente dividida em circuitos de utilização.

Na imagem abaixo temos o exemplo de uma residência com as dimensões dos cômodos e os equipamentos e o levantamento de cargas.

calcular disjuntor geral para residencia

Além disso, na imagem acima é possível visualizar os circuitos de iluminação, tomadas e tomadas de uso específicas com tensão 127 e 220 V.

Mas se você ainda não sabe fazer o levantamento de cargas, acesse esse artigo completo sobre divisão de circuitos elétricos para saber mais.

Agora o nosso próximo passo é calcular a potência total de iluminação, tomadas e tomadas de uso específicas.

Como calcular a potência total de iluminação, tomadas e tomadas de uso específico

Nosso próximo passo para dimensionar o disjuntor geral, é calcular a potência total da iluminação, das tomadas de uso geral e tomadas de uso específico.

Vamos começar agora pelo cálculo da potência total de iluminação, confira.

Potência total de iluminação

Na imagem abaixo em amarelo, é possível visualizar que fizemos a soma das potências de iluminação.

Como calcular disjuntor geral e a potência de iluminação, tomadas e tomadas específicas

Observe na imagem acima que para calcular a potência total da iluminação, nós fizemos a soma de todas as potência de iluminação.

E em seguida, nós encontramos a potência aparente total de iluminação de 1080 VA.

Agora nós iremos calcular a potência total das tomadas de uso geral dessa residência.

Potência total das tomadas

Seguindo o mesmo passo acima, nós fizemos o somatório com todas as tomadas de uso geral.

E neste caso, encontramos a potência aparente total das tomadas no valor de 6900 VA.

Agora o nosso próximo passo é calcular a potência total das tomadas de uso específico, confira.

Potência total das tomadas de uso específico

Antes de descobrir a potência total das tomadas de uso específico, é importante lembrar que estamos falando dos pontos de utilização que possuem um circuito exclusivo.

Neste caso, podemos citar o exemplo do chuveiro elétrico que deve ser ligado em um circuito exclusivo e outros equipamentos da residência.

A potência ativa total encontrada foi de 12100 W, contabilizando o valor da potência da geladeira (não esqueça).

Agora o nosso próximo passo é calcular a potência ativa da instalação elétrica, confira abaixo.

Mas então como calcular a potência ativa total de toda essa residência e dimensionar o disjuntor geral,  é o que vamos descobrir agora.

Como calcular a potência ativa total da instalação

No exemplo anterior nós descobrimos a potência aparente total da iluminação e das tomadas de uso geral.

E também descobrimos a potência ativa total das tomadas de uso específico da nossa residência.

Mas nós precisamos descobrir a potência ativa total da iluminação e das tomadas dessa instalação elétrica.

Por isso, vamos começar descobrindo qual a potência ativa total da iluminação, confira abaixo.

Potência ativa da iluminação

Para calcular a potência ativa da iluminação e das tomadas, basta multiplicar pelo fator de potência.

Na imagem abaixo é possível visualizar que fizemos a multiplicação da potência aparente total da iluminação pelo fator de potência.

calcular disjuntor geral e a potência ativa

Se você ainda não sabe, então é importante explicar que o fator de potência indica o quão eficiente é o consumo de energia elétrica por um equipamento ou circuito.

Na prática, ele é um índice que varia entre 0 a 1, e quanto maior ou mais próximo de 1.

Então ele indica pouco consumo de energia reativa em relação à energia ativa.

Na prática, para circuitos de iluminação, o fator de potência será unitário ou 1.

Mas você também pode consultar essas informações nas normas de cada concessionária de energia local.

Por isso, a potência ativa total da iluminação será de 1080 W.

Mas qual será a potência ativa total das tomadas de uso geral dessa instalação, é o que vamos descobrir agora.

Potência ativa das tomadas

No início deste artigo, nós descobrimos que a potência aparente total das tomadas de uso geral é de 6900 VA.

Neste caso, para descobrir a potência ativa total das tomadas, vamos usar o fator de potência de 0,8.

Na imagem abaixo é possível visualizar como será feito esse cálculo, confira.

É importante destacar que esse valor do fator de potência das tomadas é apenas um exemplo didático conforme a norma NBR 5410.

E você pode consultar essas informações na norma da concessionária de energia local onde será realizado o projeto.

Por isso, a potência ativa total das tomadas de uso geral será de 5520 W.

Mas então qual será a potência ativa total de toda essa instalação elétrica, é o que precisamos descobrir agora.

Qual a potência ativa total da instalação

No exemplo acima nós descobrimos que a potência ativa da iluminação é de 1080 W.

E também descobrimos que a potência ativa nas tomadas de uso geral é de 5520 W.

Além disso, nós também já sabemos que a potência ativa das tomadas de uso específico é de 12100 W desde o início deste artigo.

Por isso, para descobrir a potência ativa total, basta somar todas as potências ativas.

Neste caso, a potência ativa total da instalação seria de 18700 W.

Mas é importante lembrar que nem todos os equipamentos e circuitos dessa residência serão usados ao mesmo tempo.

Por isso, precisamos aplicar o fator de demanda para essa instalação, confira abaixo.

Como calcular o fator de demanda da instalação

O fator de demanda é muito importante para não superdimensionar os componentes dos circuitos de distribuição.

E isso acontece porque em uma instalação industrial, comercial ou residencial os equipamentos raramente irão operar todos ao mesmo tempo.

Neste caso, os fatores de demanda são encontrados nas normas de distribuição da concessionária de energia, disponíveis no site da empresa.

Mas então como calcular o fator de demanda para iluminação e todas é o que vamos descobrir agora.

Como calcular o fator de demanda para iluminação e tomadas de uso geral

Neste exemplo, usamos a tabela de fatores de demanda para iluminação e pontos de tomadas de uso geral, da concessionária ELEKTRO.

Sabemos que a potência ativa da iluminação é 1080 W, e somando com a potência ativa das tomadas de uso geral que é 5520 W, teremos um total de 6600 W.

calcular disjuntor geral com fator de demanda

Observando a tabela acima, vimos que a potência encontrada de 6600 W está compreendida entre 6001 a 7000.

Neste caso, então o fator de demanda a ser usado deverá ser 0,40.

Neste caso, basta multiplicar 6600W pelo fator de demanda de 0,40.

Isso significa que a potência ativa total da iluminação e tomadas de uso geral corrigidas será de 2640 W.

Agora nós precisamos calcular o fator de demanda para as tomadas de uso específico, confira abaixo.

Como calcular o fator de demanda para tomadas de uso específico

No exemplo anterior nós descobrimos que a potência ativa total após o fator de demanda para iluminação e tomadas de uso geral será de 2640 W.

Agora nós precisamos calcular o fator de demanda para as tomadas de uso específico.

Neste exemplo, usaremos a tabela de fatores de demanda para tomadas de uso específico, também disponível nesta mesma norma da concessionária ELEKTRO, confira abaixo.

Como calcular disjuntor geral com fator de demanda para tomadas exclusivas

Mas é importante destacar que neste caso, o fator de demanda é calculado com base na quantidade de circuitos específicos da instalação elétrica.

Nossa instalação possui quatro circuitos de tomadas específicas, sendo o chuveiro, torneira elétrica, geladeira e máquina de lavar.

Por isso, analisando a tabela acima, vimos que uma instalação de tomadas de uso específico com quatro circuitos, deve ter um fator de demanda de 0,76.

Neste caso, basta multiplicar a potência ativa total das tomadas de uso específico que é de 12100 W por 0,76.

Isso significa que a potência ativa total das tomadas de uso específicas corrigidas conforme o fator de demanda será de 9196 W.

Mas então qual seria a potência ativa total corrigida dessa instalação elétrica, é oq ue vamos descobrir agora.

Qual a potência ativa total corrigida

No exemplo anterior nós descobrimos que a potência ativa total após o fator de demanda para iluminação e tomadas de uso geral será de 2640 W.

E a potência ativa total corrigida para tomadas de uso específicas conforme o fator de demanda será de 9196 W.

Neste caso, para descobrir a potência ativa total corrigida dessa instalação, basta somar todas as potências corrigidas, confira.

calcular disjuntor geral e a potência ativa total

Por isso, a potência ativa total corrigida dessa instalação elétrica será de 11836 W.

Agora o nosso último passo é descobrir qual o disjuntor geral dessa residência, confira abaixo.

Como calcular a corrente do disjuntor geral

No exemplo anterior nós descobrimos que a potência instalada será de 11836 W.

Por isso, nós precisamos calcular a corrente elétrica do disjuntor geral da nossa instalação, confira abaixo.

Como calcular disjuntor geral e a corrente do circuito

E neste caso, vamos calcular essa corrente através da lei de Ohm abaixo, confira.

  • P = V * I
  • 11836 = 220 * I
  • I = 53,8 A

Sendo que:

  • P é a potência instalada de 11836 W;
  • V é a tensão elétrica da residência de 220 V;
  • I é a corrente elétrica do disjuntor geral;

É importante destacar que a nossa residência trabalha com tensão de 127 Volts e também com 200 Volts para alguns equipamentos.

Mas no cálculo acima, nós precisamos considerar o valor de maior tensão que é de 220 Volts.

Mas então como escolher o disjuntor geral ideal para essa instalação elétrica é oque vamos descobrir agora.

Como escolher o disjuntor geral dessa residência

No cálculo acima nós descobrimos que a corrente elétrica do disjuntor geral será de 53,8 A.

Mas é importante lembrar que os disjuntores disponíveis no mercado já possuem uma faixa de corrente estabelecida pelos fabricantes.

Na imagem abaixo é possível conferir a tabela de disjuntores bipolares do catálogo Easy9 da fabricante Schneider Electric.

Como calcular disjuntor geral bipolar

Neste caso, o disjuntor ideal deve ser superior a corrente elétrica 53,8 A que calculamos acima.

Mas então qual será o disjuntor geral ideal para essa residência conforme a tabela acima, é o que vamos conferir agora.

Qual o disjuntor geral dessa residência

Consultando a tabela acima da linha Easy9 da Schneider Electric para disjuntores bipolares.

Então podemos definir que o disjuntor geral da instalação será de 63 A.

Além disso, é importante destacar que nessa instalação haverá disjuntores com curvas B e também disjuntores com curva C.

Mas neste caso, para o disjuntor geral deve ser considerada a maior curva que é a curva C, e o código de referência do fabricante é EZ9F33263.

Mas antes de finalizar este artigo que explica como calcular disjuntor geral na prática, leia as nossas recomendações abaixo.

Mais informações sobre o disjuntor geral

No artigo acima nós explicamos como dimensionar o disjuntor geral na prática e qual o tipo de curva ideal para esse disjuntor.

Mas é importante lembrar que nós já fizemos um artigo completo explicando tudo que você precisa saber sobre os disjuntores.

Por isso, se você tiver interesse, então acesse o artigo acima para saber mais.