Elétrica

Para que serve o termopar tipo K e onde ele é usado

Mardey Costa
Escrito por Mardey Costa em 09/09/2022
Junte-se a mais de 20.000 pessoas

Cadastre seu email e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Você sabe o que é o termopar tipo K?

Neste artigo, você vai descobrir o que é um termopar tipo K, para que ele serve e onde esse termopar deve ser usado na prática.

Portanto, se você quer aprender mais sobre esse assunto, então continue lendo esse artigo. Nele você vai aprender sobre:

E se você gostou do que vem por aí, então não deixe de compartilhar este artigo com seus amigos nas redes sociais, para que eles possam conhecer o termopar tipo K.

Mas antes de ler este artigo completo, conheça nossos 3 cursos com certificado reconhecido e descubra porque 2000 alunos tiveram resultados.

Curso de Projeto Elétrico na Prática

Curso de projeto elétrico na prática com engenheiro eletricista Anderson Campos

Acesse o botão verde abaixo e descubra finalmente como elaborar projetos elétricos da teoria a prática.

Curso de Eletricista Instalador

Curso de eletricista instalador com Ricardo Serpa

Acesse o botão verde abaixo para descobrir como se tornar ser um eletricista instalador muito bem remunerado.

Curso de Comandos Elétricos

Curso de comandos elétricos com Jair Maciel dos Santos

Acesse o botão verde abaixo para descobrir como fazer montagem e manutenção de comandos elétricos industriais e sistemas automatizados.

Escolha um dos cursos acima para saber mais e faça a sua inscrição hoje com até 50% desconto em 12x no cartão, PIX ou boleto a vista e ainda ganhe bônus exclusivos.

O que é o termopar tipo K

O termopar tipo K é o tipo de sensor que é formado por um fio de Cromel como elemento positivo, e Alumel como elemento negativo.

Na prática, ele consegue cobrir uma faixa de temperatura que pode variar entre -200 °C a 1200 °C, com sensibilidade de aproximadamente 41µV/°C

Confira abaixo um exemplo de um termopar tipo K.

Exemplo de um termopar tipo K

Na imagem abaixo é possível visualizar um exemplo de um termopar do tipo K, confira abaixo.

Termopar tipo K

Neste caso, o sensor termopar acima do tipo K  é formado por um fio de Cromel como elemento positivo e Alumel como elemento negativo.

Neste caso, podemos destacar também algumas características do termopar do tipo K, confira abaixo.

  • Termoelemento positivo (KP): Ni90%Cr10% (Cromel)
  • Termoelemento negativo (KN): Ni95%Mn2%Si1%Al2% (Alumel)
  • Faixa de utilização: -270 °C a 1200 °C
  • f.e.m. produzida: -6,458 mV a 48,838 mV

Mas então para que serve o termopar tipo K, é o que vamos explicar agora.

Para que serve o termopar tipo K

O termopar tipo K é um dos mais utilizados, e isso tem haver com o seu baixo custo e a sua disponibilidade em variadas sondas. 

Neste caso, é importante dizer que ele pode ser usado em situações cuja temperatura pode chegar até cerca de 1200 °C e ainda possui uma elevada resistência à oxidação.

Apesar de também poder ser usado como um sensor para medições de temperatura ocasionalmente inferiores a 0 °C.

Na prática, ele se tornou um dos termopares preferidos em aplicações com temperaturas superiores a 540 °C.

Mas onde é usado o termopar tipo K, é o que vamos descobrir agora.

Onde é usado o termopar tipo K

Esse tipo de sensor termopar pode ser usado em atmosferas inertes e oxidantes.

Pela sua alta resistência à oxidação, ele é utilizado em temperaturas superiores a cerca de 600 °C, e ocasionalmente em temperaturas abaixo de 0 °C.

Mas de maneira semelhante ao termopar tipo E, este termopar não deve ser utilizado em atmosferas redutoras.

Além disso, também não é recomendado utilizar esse termopar em atmosferas sulfurosas.

Como exceção em casos onde esteja sendo utilizada a devida proteção, como em situações contendo gases como S02 e H2S.

Isso acontece porque em altas temperaturas e em atmosferas pobres de oxigênio ocorre uma difusão do cromo.

E isso pode provocar grandes desvios na curva de resposta do termopar, e este último efeito é chamado “green – root “.

Além disso, a estabilidade da f.e.m pode ser afetada por um fenômeno chamado “magnetização”.

Neste caso através de gradientes térmicos, tensão mecânica ou pela não homogeneidade das ligas.

Neste caso, a magnetização é atribuída à ordenação/desordenação da estrutura molecular da liga Cromel (+).

E isso ocorre com maior frequência na faixa de 200 até 600 ºC, apesar de que é possível ser revertido por meio de tratamento térmico.

Mas antes de finalizar esse artigo que explica sobre o sensor termopar tipo K, confira as nossas recomendações abaixo.

Mais informações sobre o termopar tipo K

No artigo acima, nós explicamos o que é o termopar tipo K e onde esse tipo de termopar deve ser usado na prática.

Mas é importante relembrar que nós já fizemos um artigo completo explicando cada um dos tipos de termopares, para que eles servem e como eles funcionam na prática.

Por isso, se você tiver interesse, então acesse o artigo acima para saber mais.